Domingo, 9 de Agosto de 2009

Histórias sobre os Excluídos, Paulo Coelho : Isaac é necessário.

Certo rabino era adorado por sua comunidade; todos ficavam encantados com o que ele dizia. Menos Isaac, que não perdia uma chance de contradizer as interpretações do rabino, apontar falhas em seus ensinamentos. Os outros ficavam revoltados com Isaac, mas não podiam fazer nada.

Um dia, Isaac morreu. Durante o enterro, a comunidade notou que o rabino estava profundamente triste.

 

-Por que tanta tristeza ? - comentou alguém.- Ele vivia colocando defeito no que o senhor dizia!

 

- Não lamento por meu amigo que hoje está no céu – respondeu o rabino. - Lamento por mim mesmo. Enquanto todos me reverenciavam, ele me desafiavam, e eu era obrigado a melhorar. Agora que ele se foi, tenho medo de parar de crescer.

 

 

descrataquizado por oddie às 21:17
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito

Histórias sobre os Excluídos, parte 2 : O mestre não sofre com os maus discípulos ?

 

Um discípulo perguntou a Firoz :

 

- A simples presença de um mestre faz com que todo tipo de curioso se aproxime, para descobrir algo do que se possa beneficiar. Isto não pode ser prejudicial e negativo ? Isto não pode desviar o mestre de seu caminho, ou fazer com que sofra porque não conseguiu ensinar o que queria ?

 

Firoz, o mestre sufi, respondeu :

 

- A visão de um abacateiro carregado de frutas desperta o apetite de todos que passam por perto. Se alguém deseja saciar sua fome além da sua capacidade, termina comendo mais abacates do que necessário, e passa mal. Entretanto, isto não causa nenhum tipo de indigestão ao dono do abacateiro. O caminho precisa estar aberto para todos, mas Deus se encarregado de colocar os limites de cada um.

 

descrataquizado por oddie às 20:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Quinta-feira, 6 de Agosto de 2009

Histórias sobre os Excluídos, parte 3 :O discípulo embriagado

Um mestre zen tinha centenas de discípulos. Todos rezavam na hora certa - exceto um, que vivia bêbado.

O mestre foi envelhecendo. Alguns dos alunos mais virtuosos começaram a discutir quem seria o novo líder do grupo, aquele que receberia os importantes segredos da tradição.

Na véspera de sua morte, porém, o mestre chamou o discípulo bêbado e lhe transmitiu os segredos ocultos.

Uma verdadeira revolta tomou conta dos outros :

- Que vergonha ! - gritavam. - Nos sacrificamos por um mestre errado, que não sabe ver nossas qualidades.

Escutando a confusão do lado de fora, o mestre agonizante comentou:

- Eu precisava passar estes segredos para um homem que eu conhecesse bem. Todos meus alunos eram muito virtuosos, mas mostravam apenas suas qualidades. Isso é perigoso; a virtude muitas vezes esconde a vaidade, o orgulho, a intolerância. Por isso escolhi o único discípulo que eu conhecia realmente bem, já que podia ver seu defeito : a bebedeira.

descrataquizado por oddie às 23:53
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quarta-feira, 13 de Maio de 2009

Vestido Verde

O vento do litoral sobrava em nossos rostos.Observava com delicadeza as grossas pernas dentro daquele vestidinho verde.

Não lembro seu nome, sou daqueles que esquecem detalhes depois de algumas doses.Era noite, já havia passado o reveillon, mas as praias continuariam em clima de rave por semanas, brasileiradas, com funk e psy por todo lugar.Não danço, mas para conquista-la eu abriria uma exceção.Afinal de contas, o álcool já havia aberto o chakra dos meus movimentos dançantes.

Eu estava visivelmente alterado, os passos de funk já não são muito sutis, normalmente, porém eu estava praticamente acasalando com a moça.Mas acho que ela estava gostando, pois apertava o seu bumbum contra meu colo, para sentir se o que havia ali dentro estava realmente acordado.Pegou na minha mão, e então, fomos nos afastando em direção ao mar, em direção ao escuro.

Foi fácil arrancar o vestido, enquanto ela abria minha calça para a felação tomar forma.Nunca havia transado na praia, na areia, com pessoas ao longe dançando, bebendo, gritando.O mar, o vento, e gotas de uma garoa fina não atrapalhavam de modo algum o momento, só o enaltecia.

Voltamos para junto do pessoal, e a festa onde estávamos já estava acabando, com os Djs recolhendo o equipamento.Resolvemos ir para outro lugar, e havia essa espécie de salão na praia, uma oca gigantesca e cobrando 20 pilas para entrar....resolvi mijar, enquanto o pessoal na frente da porta decidia se entraria ou não.Lá atras, enquanto mijava, reparei que havia um pequeno movimento de pessoas entrando e saindo, do salão para a praia, e havia só um único segurança que não parecia estar prestando muita atenção em se estava entrando alguem sem ter pagado.Chamei o pessoal para entrar na cara dura, e fui na frente.Passei imperceptível, e os outros me seguiram.

Só estava tocando musica eletrônica, e um pouco de trash 80's.Quando estava de saco cheio, ia até a porta e observava o mar, o vento.E foi justamente numa dessas idas, que eu a vi.Parada na janela com seu vestidinho verde, ela olhava para o longe enquanto uma lágrima escorria em seu rosto.Abracei-a forte por trás e disse que tudo ia ficar bem.Seu namorado nos observava de longe, e ainda dei uma ultima fitada em seus olhos vermelhos, antes de ver-lo ir embora.

 

 

descrataquizado por oddie às 14:37
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 28 de Fevereiro de 2009

Sutra de Mbaraka-Mirim

Sou tudo aquilo que escorre pelo umbigo para dizer que talvez você esteja pensando lesmas.
Ideal mesmo é viver-sonhar alegrias, ou, ao menos, não morrer antes de ter atendido
o eterno chamado dos sapos.

 

Não existe modo melhor de usar o espaço ?

 

São índios, lesmas e sapos.

Índio universo, lesmas universo, sapos universo, e pontos, muitos pontos, pontos finais, pontos de i, j, pontos de táxi, pontos de luz, ôninus, drogas, trocas, pontos servem para demarcar e mostrar que tudo tem um fim, eu abandono os pontos, os fins.

 

Sutra do abandono.

 

Eu abandono tudo aquilo que não cante

Eu abandono as coisas fáceis, as coisas tristes

Eu abandono os livros que não entendo, as coisas que não me fazem rir

Eu abandono tudo que contenha marca, lote ou numero de série

Tudo que se compre por um real e que encha meus pulmões de febre, eu abandono as coisas que precisam de sentido para viver

Eu abandono a diagramação da página.

 

descrataquizado por oddie às 23:34
link do post | comentar | favorito

.Abril 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Histórias sobre os Excluí...

. Histórias sobre os Excluí...

. Histórias sobre os Excluí...

. Vestido Verde

. Sutra de Mbaraka-Mirim

.arquivos

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO