Sábado, 28 de Fevereiro de 2009

Sutra de Mbaraka-Mirim

Sou tudo aquilo que escorre pelo umbigo para dizer que talvez você esteja pensando lesmas.
Ideal mesmo é viver-sonhar alegrias, ou, ao menos, não morrer antes de ter atendido
o eterno chamado dos sapos.

 

Não existe modo melhor de usar o espaço ?

 

São índios, lesmas e sapos.

Índio universo, lesmas universo, sapos universo, e pontos, muitos pontos, pontos finais, pontos de i, j, pontos de táxi, pontos de luz, ôninus, drogas, trocas, pontos servem para demarcar e mostrar que tudo tem um fim, eu abandono os pontos, os fins.

 

Sutra do abandono.

 

Eu abandono tudo aquilo que não cante

Eu abandono as coisas fáceis, as coisas tristes

Eu abandono os livros que não entendo, as coisas que não me fazem rir

Eu abandono tudo que contenha marca, lote ou numero de série

Tudo que se compre por um real e que encha meus pulmões de febre, eu abandono as coisas que precisam de sentido para viver

Eu abandono a diagramação da página.

 

descrataquizado por oddie às 23:34
link do post | comentar | favorito
Domingo, 15 de Fevereiro de 2009

Saí de Tua Alcova

Sendo Noel um grande boêmio, um cara que gostava de viver nas ruas, nos botequins, ele fez logo amizade com muitos motoristas de taxi, que às vezes levavam ele pra casa, às vezes emendavam uma outra farra, ou às vezes levavam ele pra namorar alguma moça no juá. E o Noel foi percebendo aos poucos que havia um motorista de taxi chamado “Malhado”, e o Malhado era cantor de seresta, era metido a dar o famoso “dó de peito”, e gostava de cantar falsas canções com palavras difíceis, rebuscadas, que ele não entendia absolutamente o  que significava. E o Noel aos poucos foi percebendo o estilo do Malhado, e compôs uma canção especialmente pra ele, ensinou, e combinou com ele pra lançar a música numa seresta pra duas filhas de um coronel lá em Vila Isabel. Chegando lá em baixo do sobrado do coronel, o Noel disse que ia ficar do outro lado da rua pra dar o destaque que a voz do Malhado merecia. Feriu o tom... lá se foi o Malhado

 

“Saí da tua alcova com o prepúcio dolorido

Deixando seu clitóris gotejante

De volúpia emurchecida

Porém, os gonococos da paixão  

Aumentou minha tensão”

 

Bem, o coronel levantou atirando, o Malhado saiu correndo, chegou na esquina livre e o Noel já estava esperando ele e perguntou:

 

- O que é que houve Malhado?

 

E o Malhado assustadíssimo falou:

 

- O cara sai atirando, não entendi nada!

 

E o Noel sem perder a pose diz pra ele:

 

- Isso é pra você ver, Malhado, o que é a falta de sensibilidade dessa gente!

 

descrataquizado por oddie às 17:54
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 11 de Fevereiro de 2009

Janela Errada

sinto-me:
tags:
descrataquizado por oddie às 18:28
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito

.Abril 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Deus Quis.

. tristessa, je t'aime

. Ganimedes 76, Piva

. Chaos Reigns

. Mulata

. É esse cigarro, toda manh...

. Não comerei da alface a v...

. Rato Ruim

. Enquanto o Mundo Explode

. e agora um Deus dançou em...

.arquivos

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO